Teatro e dança de salão na Sala Crisantempo

da Redação em 16/06/11

Imagem: divulgação

Cinthia Beranek apresenta uma oficina de dança no ar.

Está aberta a temporada de cursos de férias da Sala Crisantempo! Confira a programação:

Corpo e improvisação: a decolagem do clown

De 18 a 22/7, das 19h às 22h e 23/7 (finalização) das 10h às 13h
Investimento: R$ 500
Ricardo Napoleão: Diretor, ator e criador, formou-se com Jacques Lecoq em 1994. Estreou a convite de Raimund Hoghe, então dramaturgo da Cia. Pina Bausch, em Berlin no ano de 1990. Ministra oficinas no Brasil e exterior (Queen Mary and Westfield University em Londres) sobre as técnicas de Jacques Lecoq. Escreveu o prefácio para a edição brasileira do livro “O corpo poético”, de Jacques Lecoq.
Oficina: visa ampliar a capacidade do ator e sua técnica corporal para potencializar o jogo do palhaço. A preparação corporal através do uso da máscara neutra possibilita a auto-consciência física, que gera conhecimento de movimento, foco e direção criativa para o despertar da divina comédia humana que há em cada um.

Dançando no ar

De 18 a 23/7, das 10h às 13h e  sábado 23/7 (apresentação de conclusão do curso) às 14h
Investimento: R$ 400
Cinthia Beranek: Formada em dança clássica, encontrou seu estilo na dança contemporânea juntamente com a arte circense aérea. Aprimorou as linguagens de dança e circo no Canadá, Estados Unidos e Europa com renomadas companhias, incluindo Pina Bausch e Angelin Preljocaj. Fez parte de produções do Cirque du Soleil, ministra cursos de dança e aéreos e, desde 2008 é assistente de direção do “Encuentro Bajo La Carpa” e do “Festival Seguiente Escena”, no México.
Cesar Rossi: Acrobata e trapezista, foi treinador do campeão mundial de ginástica de solo Diego Hypólito. Por diversos anos, foi acrobata e trapezista de companhias de circo e teatro de São Paulo, como o Ornitorrinco do diretor Cáca Rosset no espetáculo “Ubu”. Na Itália, lançou o seu espetáculo acrobático “Flying Clown”, no XIII Festival Medieval Certaldo. Formou-se na escola de teatro de Bolonha Noveau Cirque. Foi professor da Escola de Circo Carampa, em Madrid (Espanha) e, por cinco anos, diretor pedagógico da Escola de Cirko Vertigo, em Torino (Itália). Convidado pela FEDEC (Federação Européia das Escolas de Circo), participou dos módulos de formação para professores em diversas escolas.
Oficina: Trata da fusão de diferentes artes, como teatro, dança e circo, com noções básicas de dança e técnica aérea, e se desenrola com a improvisação, percepção, força e emoção. Juntamente com a experiência de cada um, faz-se uma fusão mágica de dois mundos: a terra e o ar. Ministrada de forma dinâmica e concentrada, a aula traz um apanhado de técnicas (dança, acrobacia, yoga, pilates) e trabalha as diferentes nuances e melodias da musica como estratégia para desvendar as várias formas de se comunicar através do corpo.

Dança Contemporânea

De 18 a 21/8 das 10h às 12h
Investimento: R$ 400
Peter Goss: De origem sul-africana, Peter Goss parte para estudar antropologia e dança na Europa com 17 anos. Em Londres, segue uma formação clássica e contemporânea, depois faz diversas incursões de estudos nos Estados Unidos e, em 1969, se instala definitivamente na França, onde inicia sua carreira como pedagogo e coreógrafo. Em 1974, cria a Peter Goss Compagnie e, em 1981, abre sua escola de dança em Paris. Por considerar que em dança contemporânea é importante trabalhar em dupla com um músico, suas aulas são sempre acompanhadas por um pianista ou percurssionista. Desde 1990, Peter Goss ensina dança contemporânea. Contratado pelo Ministério das Relações Exteriores da França para representar a dança em vários centros culturais estrangeiros, Peter Goss ministra workshops de dança contemporânea por toda a França e em países como Japão, Itália e Espanha.
Oficina: Para liberar as articulações, relaxar as tensões acumuladas e melhorar a respiração, a aula começa no solo, inspirada em métodos somáticos (Feldenkrais, Alexander, Kinesiologia). Ao respeitar as diferenças de cada um, o trabalho permite ao bailarino procurar seus próprios recursos para entender como funciona seu corpo. A segunda parte, na posição em pé, consiste em liberar a cintura escapular horizontal, afim de que a coluna vertical faça seu trabalho: mobilização do busto, consciência do esterno, abertura das costas, liberdade da cabeça. Em seguida, exercícios no centro, onde se aborda também posturas do Yoga de maneira fluida e adaptada aos bailarinos, para tonificar o corpo e desenvolver a concentração após o trabalho no solo. As propostas combinam movimentos que permitem uma resposta global do corpo. No final, uma coreografia vem concretizar tudo o que foi trabalhado. Por exigir uma boa consciência do seu corpo e de referências anatômicas, a aula é dirigida aos bailarinos de nível avançado e profissional.

Mímesis Corpórea – Um ponto de partida

Início 24/7 (domingo) das 9h às 13h e de 25 a 28/7 das 19h às 23h
Investimento: R$ 500
Raquel Scotti Hirson: É de Brasília (DF) e, desde 1993, trabalha como atriz-pesquisadora do LUME, onde desenvolve pesquisas na codificação, sistematização e teatralização de técnicas corpóreas e vocais não-interpretativas do ator. Mestre e doutoranda, sob orientação da Profa. Dra. Suzi Frankl Sperber, pelo Departamento de Artes Cênicas da Unicamp. Nos últimos anos, vem realizando intercâmbios técnicos internacionais com pesquisadores e grupos, entre os principais, a japonesa Natsu Nakajima (1995 e 1996) sobre a dança butô; a canadense Sue Morrison (1999), que realiza pesquisa de “Clown Através da Máscara”; o dinamarquês e ator do Odin Teatret Kai Bredholt (1995 e 2002), no projeto “Música e Teatro de Rua – teatralização de espaços não convencionais”; a japonesa Anzu Furukawa (1997), no projeto “Mímesis Corpórea e a Poesia do Cotidiano”; o japonês Tadashi Endo (desde 2002, ainda em continuidade), sobre a dança butô; e o ítalo-argentino Norberto Presta (desde 2004), sobre a organicidade do ator na construção da dramaturgia. É colaboradora permanente da Revista do LUME.
Oficina: A mímesis corpórea é uma metodologia desenvolvida pelo LUME, de coleta de material através da observação, codificação e teatralização de ações físicas e vocais de pessoas, animais, fotos e quadros encontradas no universo cotidiano e/ou pessoal do ator. Esse workshop busca introduzir o ator no universo dessa observação artística do cotidiano, iniciando pelos trabalhos pré-expressivos básicos que o instrumentalizam no “como” e “o que” observar. O trabalho é desenvolvido de forma que a observação possa ser codificada de maneira orgânica pelo ator, transformando-a em seu material expressivo e poético de trabalho. Prioritariamente, a abordargem foca na manipulação e transformação do material codificado, para experimentar maneiras de descontextualizá-lo da matriz original. Cada participante deve trazer 10 imagens (entre fotografias e pinturas) e um pequeno texto ou poema.

Estações do Corpo (dança)

De 25 a 29/7 das 9h às 13h
Investimento: R$ 650

Este workshop é uma iniciativa do Bando formado pelos artistas Alexandre Magno e Denise Curtouké.

Sherwood Chen: trabalhou com o Coletivo Internacional Mai Juku dirigido pelo dançarino e coreógrafo Min Tanaka, criador do Body Weather Laboratory. Como educador do método Body Weather desde 1997, ministrou cursos e workshops nos seguintes locais: Universidade Berkeley em Nova York, na Universidade de San Diego, no Conservatório de Artes Dramáticas de Washington D.C, no Departamento de Artes e Culturas e na UCLA, em Los Angeles; em Londres, Dublin e Bangkok. Desenvolve intensiva pesquisa sobre culturas nativas, em especial sobre as culturas africana, tailandesa e nativa americana. Criou trabalhos e colaborou em grupo em diversos locais na América do Norte.
Oficina: O ponto forte da oficina, desenvolvida a partir do método Body Weather criado pelo dançarino e coreógrafo Min Tanaka e pelo Coletivo Internacional Mai Juku, é a investigação do Tempo-Espaço, das atmosferas locais, das mudanças atmosféricas no corpo, das interferências da natureza, do tempo e da memória no corpo, das relações gestuais entre as culturas do mundo e seus significados. Este método de trabalho surgiu de uma profunda investigação do corpo humano e de sua relação e interdependência com a natureza, através da vivência que os dançarinos criadores do Coletivo Mai Juku tem experienciado na pequena vila de agricultores onde vivem, e o treino de dança se funde ao dia a dia para criar uma experiência compartilhada.

Serviço

O Que: Cursos de férias
Quanto: Diversos valores, confira acima
Onde: Sala Crisantempo
Endereço: R. Fidalga, 521, Vila Madalena, São Paulo - SP. Tel.: (11) 3819-2287.

As informações acima são de responsabilidade do estabelecimento e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Gostou desta notícia?
Assine aqui a newsletter do VilaMundo e receba o melhor da Vila Madalena no seu e-mail.

Notícias Relacionadas